120529_mulher

Deus abençoe esse rabo.
Com essas palavras. Exatamente essas, sem tirar nem por.
Era desconcertante.
Era como se ter um rabo roubasse a minha dignidade
Deus abençoe, ele disse.
Ou melhor, escreveu.
Melhor seria se houvesse dito, proferido, mas escreveu.
Escreveu em um papel, daqueles bloquinhos de anotar idéias.
Há um quê de sacro na palavra escrita, não sei.
Ela permanece mais na memória, uma frase, um verso, vira uma imagem,
Apreendida.
Ou o fato de eu acreditar em Deus.
Estava embriagado de vinho e de toda uma história que remetia aos tempos mais remotos da sociedade em que vivo. Embebido em desrespeito e despropósito. Ébrio de puro machismo.
Tive raiva da calça que usava. Tive raiva do meu próprio corpo.
Me sabia fêmea, selvagem, por vezes. Mas daí a ter um rabo abençoado…
E assinou. Assinou embaixo. Não havia vergonha nas palavras escritas.
No ato. Havia vergonha nas palavras lidas, no fato.
E em mim. Eu era toda vergonha, desembaraço.
Eu tenho um rabo.
Virei bicho.
Vou carregá-lo e abaná-lo frente a todos os que ousarem me desrespeitar.
Como uma cadela, vou rosnar e mostrar os dentes aos meus opressores.
Cuidado, cadela brava e hostil.

Anúncios

Sobre Mariane Bigio

Poeta e Videasta. Eu faço versos como quem chora, ama, brinca, ri.... Eu faço versos como que vive.
Esse post foi publicado em Poemeu - Verso livre, Ser e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s