Corpo Urb

Poema que virou Vídeopoema.

“Caminhando pelas ruas da cidade
O Caos me perpassa o ventre

Os meus cabelos são fios de alta tensão
Conduzindo uma energia perfumada
Que conecta-se às narinas-tomadas
Que levam até o cérebro
Que processa a imagem-flor

Meu péralelepípedo
Calçado
No salto-asfalto
Pisoteia o que ainda resta da terra batida

Desvia
Dos que, descalços,
Ainda pisam na terra batida.

O Caos perpassa
e se instala em meu ventre

dentro
entre
um órgão e outro
ocupa espaço
me fazendo arrotar palavrões do caralho,
puta que pariu não aguento mais tudo isso!

Erguida
Na copa
Eu-máquina bebo do óleo preto
Que me re-faz funcionar de novo.”

Mariane Bigio

Anúncios

Sobre Mariane Bigio

Poeta e Videasta. Eu faço versos como quem chora, ama, brinca, ri.... Eu faço versos como que vive.
Esse post foi publicado em Poemeu - Verso livre. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s